Fisioterapia Bucomaxilofacial  – O papel do fisioterapeuta na DTM (PARTE I)

Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Fisioterapia Bucomaxilofacial  – O papel do fisioterapeuta na DTM (PARTE I)

A Fisioterapia Bucomaxilofacial é uma área muito ampla e que vem ganhando cada vez mais espaço. Requer formação e pós-graduação e atualmente não é reconhecida pelo COFFITO como especialidade profissional. Pelo órgão ainda é reconhecida como Fisioterapia orofacial, porém não abrange todas as áreas de atuação.

Para prestar atendimento adequado são necessários conhecimentos e atualizações na área respiratória, UTI, neurologia e dermatologia. Os atendimentos  se iniciam desde a fase de pré-operatório até a recuperação pós – hospitalar, atuando na melhora do quadro álgico e recuperação da funcionalidade muscular e articular.

O ideal é sempre o trabalho inter ou multiprofissional. Diversos profissionais como dentista, cirurgião bucomaxilofacial, cirurgião craniofacial, otorrinolaringologista, pediatra e até cirurgião plástico devem se alinhar em relação aos processos de conduta do paciente.  

A fisioterapia bucomaxilofacial é indicada para pacientes com afecções faciais,  pós-operatórios de cirurgias de buco, cirurgias craniomaxilofaciais, disfunções neurológicas da face, cirurgias plásticas, oncológicas, ortognáticas, anomalias craniofaciais, cefaléias, cervicalgias e as disfunções temporomandibulares (DTM). 

Dentre esses casos, as DTMs são as mais conhecidas e mais comuns na área bucomaxilofacial.  

Disfunções Temporomandubulares (DTM)

Segundo a American Academy of Orofacial Pain (2018), a DTM é definida como um conjunto de distúrbios que envolvem os músculos mastigatórios, a articulação temporomandibular (ATM) e as estruturas associadas. 

Estudos relatam que cerca de 50 a 75% da população mundial apresentará ao menos um sinal ou sintoma de DTM, como ruídos e dor ou desconforto na face ou na ATM. 

Sinais e sintomas:

  • Sensibilidade muscular e da ATM à palpação
  • Limitação e ou descoordenação de movimentos mandibulares;
  • Ruídos articulares;
  • Dores locais (Face, ATM, MM. Mastigatórios);  
  • Cefaléia;
  • Dores na orelha
  • Manifestações otológicas como zumbido, plenitude auricular e vertigem.  

Entenda a biomecânica da ATM:

O funcionamento correto da ATM se dá graças às estruturas ósseas do crânio e mandíbula, separadas por um disco articular preso por ligamentos, músculos e inervação, além de uma rica vascularização. Todas estas estruturas são protegidas por uma cápsula articular internamente revestida por uma membrana sinovial, que secreta e confina o líquido sinovial, responsável pela lubrificação, suprimento nutricional e metabólico para a ATM, permitindo movimentos suaves durante a mastigação, deglutição e fala. 

A complexidade desta articulação se dá por envolver diversas estruturas e funções. Os movimentos demandam o trabalho sincronizado de seus  componentes estruturais associados a componentes biomecânicos, tornando essa articulação vulnerável a alterações funcionais que levam a desarranjos como a disfunção temporomandibular. 

Não há uma causa única para o desenvolvimento da DTM, pode ser classificado como multifatorial com a interação de fatores biológicos, genéticos, psicológicos e comportamentais. 

Fatores de risco:

  • Hábitos parafuncionais (ações realizadas sem uma função reconhecida como essencial para o ser humano – “vícios”, como por exemplo: roer as unhas, levar os dedos a boca, etc.) ;
  • Traumas (Macro, Micro, SDC);
  • Alterações estruturais;
  • Transtornos emocionais;
  • Distúrbios do sono;
  • Problemas sistêmicos; 
  • Bruxismo (diurno e/ou noturno)

Renata Luri, Fisioterapeuta na Clínica La Posture e Doutora em Ciências da Saúde pela Unifesp 

Bruna Farias Barreto, Fisioterapeuta na Clínica La Posture e graduada pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)  

 

Referências

– ABOALNAGA, A. A. et al. Malocclusion and Temporomandibular Disorders: Verification of the Controversy. Journal of oral & facial pain and headache, 2019.

– ARMIJO-OLIVO, Susan et al. Effectiveness of manual therapy and therapeutic exercise for temporomandibular disorders: systematic review and meta-analysis. Physical therapy, v. 96, n. 1, p. 9-25, 2016.

– BERTOLI, FMP. Et al. Prevalence of diagnosed temporomandibular disorders: A cross-sectional study in Brazilian adolescents. PLos One. 2018,13:(2) eO192254.

– CALIXTRE, Letícia B. et al. Effectiveness of mobilisation of the upper cervical region and craniocervical flexor training on orofacial pain, mandibular function and headache in women with TMD. A randomised, controlled trial. Journal of oral rehabilitation, v. 46, n. 2, p. 109-119, 2019.

– CHARLES, Derek et al. A systematic review of manual therapy techniques, dry cupping and dry needling in the reduction of myofascial pain and myofascial trigger points. Journal of Bodywork and Movement Therapies, 2019.

– DA COSTA, Letícia Miranda Resende et al. Effect of the Pilates method on women with temporomandibular disorders: A study protocol for a randomized controlled trial. Journal of bodywork and movement therapies, v. 20, n. 1, p. 110-114, 2016.

– DE LA TORRE CANALES, Giancarlo et al. Prevalence of psychosocial impairment in temporomandibular disorder patients: A systematic review. Journal of oral rehabilitation, v. 45, n. 11, p. 881-889, 2018.

– IVKOVIC, Nedeljka et al. Relationship between symptoms of temporomandibular disorders and estrogen levels in women with different menstrual status. J Oral Facial Pain Headache [Internet], v. 32, n. 2, p. 151-8, 2018.

– KRAUS, Steven; PRODOEHL, Janey. Outcomes and patient satisfaction following individualized physical therapy treatment for patients diagnosed with temporomandibular disc displacement without reduction with limited opening: A cross-sectional study. CRANIO®, v. 37, n. 1, p. 20-27, 2019.

– LOBBEZOO, F. et al. International consensus on the assessment of bruxism: report of a work in progress. Journal of oral rehabilitation, v. 45, n. 11, p. 837-844, 2018.

– MACHADO, Barbara Cristina Zanandréa et al. Effects of oral motor exercises and laser therapy on chronic temporomandibular disorders: a randomized study with follow-up. Lasers in medical science, v. 31, n. 5, p. 945-954, 2016.

-NAGATA, Kazuhiro et al. Efficacy of mandibular manipulation technique for temporomandibular disorders patients with mouth opening limitation: a randomized controlled trial for comparison with improved multimodal therapy. Journal of prosthodontic research, v. 63, n. 2, p. 202-209, 2019. 

– PAOLO, CD., et al. Temporomandibular Disorders and Headache: A Retrospective Analysis of 1198 Patients. Pain Res Manag. 2017:3203027.

– PAIVA, Ana Cristina Barbosa Oliveira; DE SOUSA, Ronysmario Alves. Efeito da terapia manual em pacientes com disfunção crâniomandibular: revisão bibliográfica. AMAZÔNIA: SCIENCE & HEALTH, v. 3, n. 1, p. 33-36, 2015

-SLUKA, Kathleen A. et al. What makes transcutaneous electrical nerve stimulation work? Making sense of the mixed results in the clinical literature. Physical therapy, v. 93, n. 10, p. 1397-1402, 2013.

– SILVA, LS,. Et al. Avaliação preventiva da disfunção temporomandibular. Colloquium Vitae. 2011;3:11-16.

– VALENTE, Ana Carolina Bonetti et al. Atendimento de fisioterapia no pós operatório de cirurgia ortognática. Anais, 2015.

– VALENTE, Ana Carolina Bonetti; YAEDÚ, Renato Yassutaka Faria; MELLO, Marina Barbosa de. Postoperative pain and edema assessment in orthognathic surgery. Journal of Applied Oral Science, v. 24, p. s issue, 2016.

– YAEDÚ, Renato Yassutaka Faria et al. Postoperative orthognathic surgery edema assessment with and without manual lymphatic drainage. Journal of Craniofacial Surgery, v. 28, n. 7, p. 1816-1820, 2017.

Veja Também

Anatomia e Fisiologia

Parte II- A memória muscular

A memória é um processo em que a informação é codificada, armazenada e recuperada.  A memória relacionada a musculatura pode fazer com que em pessoas